2015 | EXPOSIÇÃO DE INAUGURAÇÃO DO ESPAÇO NEXUS – ROSELY NAKAGAWA

2015 | EXPOSIÇÃO DE INAUGURAÇÃO DO ESPAÇO NEXUS – ROSELY NAKAGAWA

A natureza, os sentidos e a obra.

Encontramos ao longo da produção artística de Maria Villares o olhar atento à natureza; sementes, conchas, peles, encontrados, coletados, anotados e colecionados. O olhar que se detém na busca destes elementos, se une ao que constrói a obra.

Cada trabalho mostra a evolução de um processo que estreita a relação de técnicas especificas (pintura, cerâmica, gravura ou desenho), transformando o resíduo da natureza em base para uma reflexão construtiva.

Os papeis são tratados como cascas que revestem a base da pintura.

O pigmento é arrastado pela água sobre o papel, tecendo peles transparentes.

Na pintura, as camadas de tinta se desmancham em véus brancos; a cor aplicada sobre as formas, tecem tramas, órgãos, ossos.

As sementes ganham na cerâmica e no bronze, um território a ser fertilizado, construindo formas orgânicas, trazendo de volta a matéria viva para o barro.

O referente ressurge e desaparece em camadas e formas que aproximam e se afastam.

A abstração, sempre acompanhada de forte relação com a matéria, nasce de sua força pictórica e formal.

Esta reunião de trabalhos, realizados desde o início do ano de 2010, mostra este percurso. Através deles podemos acompanhar seu caminho na direção da construção do equilíbrio.

Cor, textura e forma trabalham juntos, trazendo a natureza de volta à superfície, num jogo contínuo de contrastes, para construir o sentido plástico da sua obra.

Rosely Nakagawa

Leave a Reply